Especialista destaca desafios de famílias e portadores no dia de conscientização do autismo

Especialista destaca desafios de famílias e portadores no dia de conscientização do autismo

2 de abril é o dia municipal de conscientização do autismo. A data se tornou oficial comaLei municipal nº 1.400/2018 sancionada  pelo prefeito, Dr. Erik Augusto Costa e Silva que instituiu o dia municipal de conscientização do autismo no município de Balsas – MA, bem como a proteção do direito da pessoa com Transtorno de Espectro Autista (TEA). Nessa data também é comemorado o dia mundial.

A data objetiva a realização de eventos e atividades informativas visando mudar a realidade de autistas e suas famílias. Autismo é um transtorno que afeta 1 a cada 68 pessoas. No Brasil tem-se uma média de 2 milhões de pessoas afetadas. A palavra Espectro traduz a diversidade existente nos afetados. Cada pessoa com autismo traz características próprias, sendo cada indivíduo diferente de seus pares, mas todos comprometem as áreas da comunicação, interação social e comportamento. Pode ser ainda que venha com interesses restritos e comportamentos repetitivos.

A terapeuta especialista e ativista em autismo, Dra. Benilde Maria Miranda da Silva, falou sobre os principais problemas dos portadores de autismo:

Dra. Benilde com o filho Artur que é autista

Tratamento: é feito com terapias e necessita de uma equipe multifuncional que trabalhem no mesmo sentido para fazer a intervenção adequada para ele. Emissão do laudo (diagnóstico) da pessoa com autismo. É fornecido por médicos: psiquiatras infantil e neuropediatras

Não existe cura

O que existe é um tratamento intensivo que permite que a pessoa dependendo do grau de autismo que seja portadora, e dependendo da quantidade de horas de intervenção que ela tenha, pode chegar ao nível de desenvolvimento satisfatório.

Maior prioridade da criança com autismo

Diagnóstico e terapia precoce aumento muito as chances da criança autista ter um bom desenvolvimento. Entender as necessidades da família e da escola através da orientação das pessoas que trabalham diretamente com a criança: professores, cuidadores, educador físico e outros. Treino babás e mães para que em casa essa criança seja estimulada constantemente.

Dificuldades do autista

As dificuldades das famílias e dos portadores de autismo são do acordar ao dormir. O autista necessita de tudo, pois o que ele tem ou o que tem são insuficientes ou inadequadas para o tamanho de suas necessidades. Podemos destacar a inclusão: social, escolar e no mercado de trabalho. Porque eles podem trabalhar sim.

Autista e o futuro

Uma preocupação pertinente é também quando o autista chega a idade adulta. É necessário ter um local que se responsabilize pela continuidade das terapias; continuidade do ensino. A pessoa com autismo não tem alta, passa toda a vida em constantes terapias. É preciso que tenhamos políticas públicas adequadas. Temos que pensar em moradias assistidas, pois as pessoas com autismo podem ser que um dia elas fiquem sozinhas. Os pais ou responsáveis podem não está mais aqui, por falecimento, velhice, quem irá assumir esse adulto com transtornos? Então é necessário se pensar em moradias assistidas também.

A solução é a informação. A medida que as pessoas recebem as informações os mitos caem e diminui o preconceito que o autista e sua família sofrem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *